Arquivo da categoria: Bem Vindo ao Mundo

Fotos da semana no Instagram #9

Final do ano se aproximando, festas e também temos os cliques dos #pimpolhos mais fofos da semana!

Vamos conferir:

Em ritmo de natal, temos essa fofura do clique da @Kellyanee!

O rafa tirou o dia para dormir na casa da tia coruja @deiaisidorio que aproveitou para clicar esse pimpolho lindo!

Mas não é uma boneca? Essa é a Luanna e o clique é da @danyellefranklin! Adoramos o penteado!

O príncipe da foto já está treinando pra pegar várias ondas quando crescer, se depender do papai @alexdosurf, que fez o clique!

Esse lindão aproveitou e fez uma pose bem divertida para o clique da prima @jackebarbosamusic! Adoramos!

A sapequinha Ellen fez até biquinho para o clique da prima @vivi_araujo18! Linda :)

Uma pausa para se refrescar com a frutinha e a @grazimatos420 aproveitou para fazer o clique dessa lindeza!

O lucas não vê a hora de andar de skate! Pimpolho lindo e radical do clique da @weinabarros!

A princesa estilosa é do clique da @flaviabicalho! Lindos olhos e a tiara ficou um mimo. Adoramos!

Hora do soninho e a mamãe coruja @mihzinhamln fez o clique dessa gostosura!

Curtiram as fotos da semana? Se você quiser que a sua foto apareça aqui, basta utilizar a hashtag #Pimpolho, que nós estamos de olho!

Até 2014.

Saiba tudo sobre as primeiras horas do bebê.

Seu primeiro dia com o bebê será excitante, emotivo e um pouco cansativo. Assim que você puder ficar sozinha com ele sentirá um misto de sensações e pode até ser que sinta-se um pouco perdida sobre o que fazer com aquele ser que acaba de nascer. Saber o que esperar das primeiras horas fará desse momento ainda mais especial e pode ajudar a pressão ser mais leve.

Os primeiros 5 minutos

Assim que seu bebê nascer, os médicos irão aspirar seu nariz e boca para limpar e tirar qualquer muco a fluído amniótico, assim ele começará a respirar por si só. O médico irá cortar ou deixar que seu parceiro corte o cordão umbilical antes de realizar o teste de Apgar – que consiste em avaliar os batimentos cardíacos, respiração, tônus muscular, reflexo e, finalmente, sua cor. Os pontos do teste vão de zero a dez, mas qualquer coisa acima de sete é geralmente considerado saudável.

Muitos bebês pontuam entre 8 ou 9 se seu bebê tiver uma pontuação baixa, a causa será anotada e novos testes serão realizados nos próximos 5 minutos ou até que tudo esteja certo. Não se preocupe: muitos bebês que recebem uma baixa pontuação nesse primeiro teste podem ser desenvolver naturalmente, afirma Michael A. Posencheg, diretor-médico da enfermaria de recém-nascidos do Hospital da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos.

Enquanto você estiver expelindo a placenta, seu bebê será pesado e limpo. Normalmente, uma enfermeira irá limpá-lo e aquecê-lo até que ele esteja pronto para manter sua temperatura – processo que pode levar de minutos a horas. Você poderá assistir todo esse processo, mas você também poderá estar recebendo os pontos devido aos cortes, se necessário.

Primeira hora

Enquanto seu bebê estiver na sala de parto, irá receber uma dose de solução de nitrato de prata nos olhos para prevenir a conjuntivite neonatal. Ele também recebe vitamina K que ajuda na coagulação do sangue. Se você vai amamentar, é melhor que faça isso assim que conseguir, mesmo que tenha feito cesárea você pode pedir que a enfermeira te ajude no processo de amamentação.

Segunda e terceira horas

Agora que todos os testes iniciais estão completos, vocês passarão um bom tempo a sós. Em alguns momentos, a enfermeira virá para examinar o recém-nascido para ver se tudo está dentro dos conformes. Ela irá checar o pulso, sentir o abdômen, ver se os genitais se formaram normalmente. Se seu bebê nasceu prematuro, ele deverá passar suas primeiras horas na enfermaria ou na incubadora, onde terá sua temperatura mantida, coração e respiração checados e você poderá visitá-lo lá. Lá, seus sinais vitais serão checados a cada 30 minutos pelas primeiras duas horas, depois a cada quatro a seis horas. Se os sinais não estiverem estáveis depois de duas horas, ele deverá ser encaminhado para a UTI neonatal.

Hora 4 a 22

Você passará esse tempo aprendendo a cuidar do seu bebê. Você provavelmente contará com a ajuda de uma enfermeira para o primeiro banho, a limpar o umbigo e para trocar a fralda. Você também aprenderá a segurar e ninar seu filho no colo, de uma forma que será única para os dois. Uma enfermeira também irá te lembrar de amamentá-lo a cada duas ou três horas. Muitas maternidades têm consultores de amamentação para ajudar nessa tarefa que pode não ser tão simples no começo. Neste período, você deverá começar a receber as visitas, o que também é animador.

Hora 23 a 24

Neste ponto, o bebê já terá sido avaliado por um pediatra – a não ser que um problema tenha sido descoberto após o nascimento, neste caso, mais exames serão realizados. O médico irá aferir os riscos de infecções, checar qualquer malformação e conferir se ele está se alimentando e respirando normalmente.

Ele ainda será avaliado para saber se está com icterícia que deixa a pele amarelada devido ao excesso de bilirrubina no sangue. Bebês com esta condição – isso é bem comum – devem ser expostos a um tipo especial de luz. Em casos raros, se não for tratada, a icterícia pode causar danos cerebrais.

Antes de sair da maternidade, você deverá realizar em seu filho o Teste do Pezinho que detecta precocemente doenças metabólicas, genéticas e infecciosas. Esta avaliação é extremamente importante, porque se o bebê tiver alguma das alterações, deve ser tratado o quanto antes.

Pouco antes de deixar a maternidade

Normalmente, você ficará de 24 a 42 horas na maternidade após um parto normal. No caso de cesárea, você passará de três a quatro dias. Pouco antes de partir, o recém-nascido poderá realizar o Teste da Orelhinha, que ao contrário do Pezinho não tem nenhum furo, na avaliação, um fone de ouvido acoplado a um computador será colocado no bebê para checar as respostas do seu cérebro diante dos sons.

Ele também será pesado e você perceberá que ele perdeu um pouco de peso desde o nascimento, isso acontece pela perda de água porque o bebê não está mais envolto no líquido amniótico.

Antes de entrar no carro com a criança, confira se está tudo certo com a cadeirinha que é obrigatória. Logo você percebe que está por conta própria e que mesmo contando com a ajuda do pai e de parentes não está mais aparada pelos médicos e enfermeiros do hospital. A insegurança é natural, mas não entre em pânico. Ninguém vai para a casa sentindo-se totalmente pronta para a missão. Tente relaxar e aproveitar cada minuto com o novo membro da família, seu filho.

Recomendação de leitura:

A Vida do Bebê, dr. Rinaldo de Lamare, ed. Agir, R$ 78,80

O que Esperar do Primeiro Ano, Arlene Eisenberg, Sandee Hathaway e Heidi Murkoff, ed. Record. R$ 81

Fonte: Revista Pais e Filhos

Temas inusitados para chá de bebê

Uma das coisas mais gostosas da gravidez é planejar cada detalhe do chá de bebê. Muitas mamães se dedicam bastante para caprichar e fazer bonito nessa comemoração.

Selecionamos 6 opções de decoração para os casais que gostam de fugir do tradicional e apostar em temas de acordo com suas personalidades. Tem para meninos, meninas e unissex: para todos os gostos. Escolha qual combina mais com você e divirta-se!

Livros Infantis

Esse chá de bebê é perfeito para quem é fascinado por literatura e quer incentivar o baby desde cedo para o mundo das letras.

Mais fotos aqui.

Sorvetinho

Delicado, charmoso e divertido. O tema de sorvetinho é a cara das meninas, ótima pedida para o verão e cheio de delícias para os convidados.

Mais fotos aqui.

Broom Broom and Voom

Os papais que gostam de carros vão se animar com esse tema para o futuro pimpolho: uma corrida emocionante!


Mais fotos aqui.

Náutico

Quem gosta do mar e da praia vai se empolgar com o tema náutico. Âncoras, barcos e estrelas do mar compõem a mesa, a parede, os doces e até o bolo.


Mais fotos aqui.

Disco Baby

Esse chá de bebê é especial para aqueles que são grandes fãs de música. Com alguns discos de vinis a festa fica super musical. O pimpolho já vai chegar no balanço da melodia.


Mais fotos aqui.

Café Parisiense

Elegância é a principal característica desse tema. Foge do clima infantil, usa cores pasteis, muito floral e acessórios antigos.


Mais fotos aqui.

E aí, você faria algum desses para seu filho? Qual o seu preferido?

10 coisas que você nem imaginava sobre os bebês

A barriga nem apareceu, mas a expectativa já existe. Como será meu bebê? Qual a cor dos olhos? Vai parecer mais com o pai ou a mãe? São inúmeras as dúvidas e imaginações acerca do filho a caminho, que surgem quando se está grávida. Além de algumas diferenças do que foi idealizado, dependendo da posição do bebê no útero, do perfil genético e até do tipo de parto, os recém-nascidos apresentam algumas características próprias que algumas mães não esperavam. Mas, não se preocupe, veja a lista com as dez mais comuns, e quando elas somem:

Cabeça alongada e rosto amassado

Ao nascer, os ossos cranianos do bebê são moles para permitir que a cabeça passe pelo canal vaginal. Quando o crânio é comprimido, esses ossos se amoldam e a cabeça pode assumir uma forma mais alongada e pontuda e o rosto ficar um pouco amassado. É normal. Isso acontece principalmente naqueles que nascem de parto natural, mas também em alguns casos de cesárea, quando o bebê está com a cabeça para baixo no útero. Esta deformidade não dura muito, e em poucos dias o formato volta ao normal.

Moleiras

Todos os bebês nascem com duas moleiras – chamadas pelos médicos de fontanelas –, espaços macios que separam os ossos do crânio e servem para facilitar a passagem do bebê pelo canal vaginal e permitem o crescimento adequado dos ossos da cabeça. A que fica na parte superior se fecha em torno de 12 a 18 meses, e a da parte traseira aos 2 a 3 meses de vida.

Vérnix

O recém-nascido nasce coberto por um material esbranquiçado e gorduroso denominado vérnix caseosa. Ele ajuda a diminuir o atrito, facilitando a saída do bebê através do canal do parto, e também funciona como uma barreira de proteção contra bactérias e fungos. O vérnix sai espontaneamente nas primeiras semanas de vida e não precisa ser retirado com esponja, nem passar cremes hidratantes ou óleos.

Mãos e pés azulados

Os bebês podem apresentar uma coloração azulada simétrica nos lábios, mãos e pés, que se chama acrocianose. Isso ocorre porque os vasos sanguíneos reagem exageradamente ao frio e ficam dilatados, adquirindo essa coloração – que melhora com o simples aquecimento do corpo do bebê.

Unhas compridas

As unhas das mãos e dos pés começam a se formar por volta da 12ª semana e, desde então, elas crescem semanalmente até atingir a ponta dos dedos por volta de 37 semanas. O bebê que nasce a partir de 38 semanas muito provavelmente terá as unhas mais compridas, que podem ser cortadas na maternidade para evitar arranhões.

Edemas nas mamas

Muitos bebês nascem com as mamas inchadas e, algumas vezes, ocorre a saída de leite, tanto em meninas quanto em meninos. Isto é devido à passagem dos hormônios maternos para o sangue do bebê, que estimula a produção de leite. Nunca esprema ou aperte para evitar irritações, ou até mesmo infecções. Elas desincham em torno dos primeiros 7 a 10 dias de vida.

Genitais inchados

Da mesma forma que as mamas, os genitais também podem ficar inchados, e as meninas também podem apresentar um pequeno sangramento vaginal, justamente por causa da passagem dos hormônios maternos para o sangue do bebê. Tudo volta ao normal em 7 a 10 dias de vida.

Cordão umbilical preso

O cordão umbilical, que unia o bebê à mãe na fase intra-uterina, é fechado logo após o nascimento com um “grampo” de plástico. Logo em seguida, ele é cortado, mas se deixa um pequeno pedaço, que gradualmente vai ressecando, até cair espontaneamente por volta de 7 a 10 dias de vida. No local, só ficará um sinal, que é o umbigo. É muito importante manter esse coto umbilical bem limpo – com cotonete embebido em álcool um a duas vezes por dia – até a sua queda completa.

Manchas na pele

Os bebês podem apresentar alguns cravinhos, conhecidos como miliária rubra, que aparecem principalmente na ponta do nariz e no queixo, causados pela secreções das glândulas sebáceas da pele. Eles desaparecem em 2 ou 3 semanas.

Pelos finos nas costas e ombros

Alguns bebês nascem com lanugem, que é uma camada de pelos finos que são produzidos no final da gravidez, e ficam principalmente nos ombros e nas costas. Eles caem logo após o nascimento ou, no máximo, em algumas semanas de vida.

Fonte: Revista Pais e Filhos

Será que estou em trabalho de parto?

Como vou ter certeza de que o trabalho de parto começou? A hora certa de ir para a maternidade é uma das principais dúvidas quando se chega ao fim da gravidez. Alguns sinais indicam que o momento está próximo, mas eles variam de mulher para mulher e diferem a cada gestação. Se você está tentando imaginar o começo do seu trabalho de parto, saiba que o mais provável é que ele se inicie na forma de contrações. As contrações são o sinal de largada para 60% das mulheres, é nesse momento que normalmente as gestantes procuram a maternidade e são admitidas. Elas aparecem na parte final da coluna lombar irradiando para a pelve materna e são acompanhadas do endurecimento do útero, diferentemente das contrações normais e indolores que ocorrem a partir do quinto mês, quando a barriga endurece e amolece, sendo conhecidas como contrações de Braxton-Hicks.

Para evitar as indas e vindas incansáveis à maternidade, a grávida deve conhecer um pouco sobre cada um dos sinais de alerta do trabalho de parto que pode ser útil para avaliar, principalmente na primeira gravidez, se realmente é o momento de pegar as malas e ir para a maternidade ou se trata de um alarme falso. “No fim da gestação, a ansiedade aumenta, o que costuma atrapalhar a interpretação dos indícios”.

O Diagnóstico do Verdadeiro Trabalho de Parto

É sugerido pela presença de 1 dos 3 sinais/sintomas:
- contrações uterinas rítmicas com dilatação do colo
- rotura da bolsa amniótica
- sangramento uterino

Contrações Uterinas:

As contrações uterinas se tornam frequentes e com intervalos regulares (3 a 5 contrações a cada 10 minutos com duração de 30 a 50 segundos) e são capazes de promover uma dilatação do colo uterino com velocidade de 0,6cm a 1,0 cm por hora.
O ritmo da dilatação do colo é de 1 cm por hora nas mães de primeira viagem (primíparas) e mais rápido nas mães com partos anteriores(multíparas). O exame de toque em geral é feito pelo médico nesta fase de dilatação com intervalo de 1 a 2 horas , sempre averiguando , além das condições do colo, o maoir número de informações, como a posição do feto, a altura da apresentação e o líquido amniótico.

É possível ter contrações e não estar em trabalho de parto?

Contrações uterinas que não dilatam o colo uterino podem representar a fase latente que antecede o trabalho de parto (conhecido como Falso Trabalho de Parto). Não é nada impossível ter contrações por três dias seguidos e mesmo assim não estar oficialmente em trabalho de parto. Se as contrações vierem em intervalos irregulares de cinco minutos, depois sete, depois oito, depois cinco, depois oito de novo, e com pequena duração (20 segundos) é provável que o corpo esteja só treinando. Arme-se de paciência e acompanhe as contrações, até elas pegarem ritmo e força. Procure se manter tranqüila e relaxada para ajudar na evolução do seu trabalho de parto e das contrações. Faça o que for mais gostoso para ficar relaxada nessa fase.

Alterne entre caminhadas e um pouco de descanso, ou tome uma chuveirada morna para aliviar o desconforto. O descanso é bom para poupar o corpo do trabalho que o espera. Coma ou beba alguma coisa leve se tiver fome, pois caso evolua e vc precise se internar no hospital você pode ser colocada em jejum .

Rompimento da bolsa amniótica

A ruptura da bolsa amniótica na gestação à termo também chamada de aminiorrexe pelos médicos , ocorre em 80 a 90% das vezes durante o trabalho de parto. Quando ocorre antes do ínicio do trabalho de parto 2 condutas são aceitáveis:
- resolução : indução imediata do parto com medicamentos que irão estimular as contrações uterinas, o que reduz o índice de infecção materna.
- expectante: indução do parto após 18 horas de observação, caso não há ínicio espontâneo de trabalho de parto.

A ruptura da bolsa nem sempre é tão fácil de identificar. Quando acontece na parte inferior, um volume grande de líquido vaza de uma só vez podendo escorrer pelas pernas, molhar roupas, o que é típico da bolsa rota. Se ela se dá em regiões mais altas, os jatos são intermitentes e menores, como se a grávida estivesse perdendo urina. Para tirar dúvidas, saiba que o líquido amniótico tem um cheiro bem diferente do da urina (cheiro de água sanitária) e a coloração pode lembrar água-de-coco quando tem grumos do bebê ou ser esverdeada devido a presença de mecônio(fezes). Avise a seu médico sobre as características do líquido aminiótico. Se sua bolsa estourar ou se você desconfiar que está perdendo líquido amniótico, fale com o médico.

Já a perda do tampão mucoso também chamado “Sinal do Parto”, de aspecto gelatinoso, que protege a entrada do útero durante a gravidez, indica que o fim da gravidez se aproxima. A perda, com ou sem sangramento, pode acontecer de algumas horas até 15 dias antes do parto. Significa apenas que estamos caminhando para o parto, não há necessidade de procurar a maternidade, deve-se apenas ficar mais atento nas próximas horas/dias…

Sangramento uterino

O trabalho de parto pode ainda começar com um sangramento, conforme a localização da placenta. No caso das placentas conhecidas como baixas, prévias ou marginais, geralmente diagnosticadas no pré-natal, um sangramento vermelho-vivo poderá ocorrer nas primeiras contrações ou mesmo sem elas.

A dilatação do colo uterino pode levar também ao sangramento às vezes de pequena quantidade de coloração escura tipo borra de café. Outras patologias como o Descolamento Prematuro de Placenta manifesta-se também com a presença de sangramento. Na dúvida, sangrou, procure à Maternidade.

Quando devo procurar o médico?

Você e seu médico já devem ter conversado sobre quando você deve avisá-lo se achar que está em trabalho de parto. Mesmo se você não tiver certeza, não fique com vergonha de ligar e perguntar. Os médicos estão acostumados com esse tipo de telefonema por parte de mulheres que não sabem ao certo se a hora está chegando e precisam de orientação. O mesmo vale para os profissionais de um posto de saúde ou hospital público. Saiba para onde deve ir na hora em que achar que o bebê está para nascer. Procure auxílio se começar a ter contrações regulares antes de 37 semanas de gestações, pois trata-se Trabalho de parto Prematuro. Também não deixe de avisar se você acha que o bebê está se mexendo menos que de costume (se não der nenhuma mexidinha em duas horas) ou se tiver com os níveis de pressão arterial altos (Pré-eclâmpsia).

Calma!

Lembramos, porém, que o trabalho de parto pode extender-se bastante (10 a 12 horas nas primíparas e 6 à 8 horas nas multíparas). Sendo assim, confirmado o trabalho de parto: fique tranqüila. “Só nos filmes e, em raríssimos casos, os bebês nascem antes que a mãe consiga chegar à maternidade”. Podem concluir a sua mala e a do bebê, acionar o marido, ligar para o seu médico e se encaminhar à maternidade porque: vai dar tempo!

Aproveito para comunicá-los que estou com 37 semanas de gestação e assim como vocês estou vivendo o meu momento de paciente e gestante e aguardando a hora tão esperada de conhecer meu bebê. Espero a partir de então meu ínício de trabalho de parto!

Durante um tempo estarei me dedicando à maternidade mas logo logo estarei de volta dividindo novas experiências com vocês!

Desejo um lindo pré-natal para as gestantes estão começando a caminhada e uma boa hora para as gestantes que, como eu, aguardam o grande dia!

Fiquem com Deus!

Fases do bebê: refluxo, remédios e novos movimentos

Queridas do blog,

Tudo bem? Espero que sim…

Estivemos no consultório do pediatra esta semana e o Giuseppe está com 63cm e 5.650kg com apenas 75 dias. Em meio à consulta, foi constatado que meu pequeno está com início de refluxo e uma pequena observação do pediatra matou a charada, foi assim: Giuseppe estava com a mania de ficar colocando a cabeça para trás e esticando todo o corpo como se quisesse virar. Achava isso bem normal e pensava que ele já estava bem saidinho para sua idade de dois meses, mas não, esse é o primeiro indício de um refluxo. Como ele fez este movimento no momento da consulta, o pediatra logo perguntou: “Ele regurgita sempre depois das mamadas?” Respondi: quase sempre, mas é bem depois e é um leite mais pastoso. BINGO! Princípio de refluxo também. Com isso ele receitou dois remédios para meu pequeno. E o safadinho está adorando porque eles são docinhos.

Mas precisamos tomar cuidado ao dar os remédios por meio das seringas que vêm nos frascos. Um dos remédios é bem doce e bem grosso, então a facilidade de engasgar é grande. Faço o seguinte: despejo a quantidade da seringa no dosador e vou dando com uma colherinha aos pouquinhos. Com isso, ele toma tudinho e não engasga. Fiquem bem atentos a todos os movimentos que seus filhos fazem e falem com o pediatra, porque uma simples esticada de cabeça pode ser sinal de refluxo.

No último post havia comentado que Giuseppe não tinha, até aquele presente momento, reação em relação às vacinas. Contudo ele teve 48h depois: duas vezes febre de 38°. Mas, segundo o pediatra, isso é normal! Giuseppe também foi visitar um cirurgião pediatra. Não sei se comentei, mas ele nasceu com um “caroço” em cima da sobrancelha esquerda, que de vez em quando parece que cresce. Pois é, ele vai ter que operar para tirar entre 4 e 6 meses de vida. Segundo o doutor não é nada, mas é melhor nos precavermos. Tadinho do meu pequeno… mas ao final tudo dará certo.

Ele está uma brasa, não dorme mais durante o dia, mas, em compensação, dorme a noite toda, graças a Deus. Ele já está segurando objetos com as duas mãos, e vejo que com a mão direita ele tem mais força. Já consegue segurar o chocalho e balançar, é uma graça! Também acompanha com os olhos todos os movimentos que fazemos na sua frente. Seu pescoço está mais firme para segurar a cabecinha e já ensaia virar de bruços (mas temos que ficar atentos porque ele ainda não tem forças nos braços para sustentar o pescoço de bruços). Ele não quer mais saber de ficar no berço, só quer ficar no colo e em posição de “em pé”, reclama se o colocamos no berço. Ele não gosta de ficar sozinho, quer sempre uma pessoa perto para “conversar”. Giuseppe “conversa” conosco na língua dele: ahhhhhhh, ohhhhhhhh, mas nós como mães, entendemos tudo e achamos lindo!

Vejam as fotinhas dele tomando remédio, é lindo! Minha paixão!


Nos vemos no próximo post. Bom final de semana a todas!

Fases do bebê: primeiras vacinas

Amigas e amigos do blog,

Quanto tempo! Bem, esta semana que passou Giuseppe fez dois meses e já está grandão, cada vez engordando e crescendo mais. Nestas últimas semanas, ele começou a dar as famosas risadas espontâneas sempre que conversamos com ele. Está uma graça! Também começou a querer conversar conosco. Fica emitindo sons como ahhhhhhhh, aiiiiiiiiii, eeeeeeee, essas coisas que só eles entendem. Seu olhar já se fixa quando alguém o chama atenção; ele chuta o pobre do seu móbile de ursinho que colocamos no carrinho; e acho que ele será canhoto porque sua perna esquerda chuta mais forte e mais vezes; sua cabecinha começa a ficar ereta, logo seu pescoço já aguenta o peso da mesma; ele faz forças nas pernas querendo levantar e fica impulsionando o corpo para frente, uma coisa linda! É muito bom participar destas descobertas junto com ele! Está também fazendo as famosas bolinhas de saliva, mas de vez em quando engasga com elas; suas mãos abrem e fecham com mais frequência e seu cabelo voltou ao normal.

Semana passada ganhou da vovó Mariza o famoso travesseiro que tem um buraco no meio para deixar a cabeça certinha, sem ficar pontuda, mas ele até que consegue iniciar o sono neste travesseiro, mas depois sai. O travesseiro é muito bom porque a cabecinha encaixa certinho, vale a pena! E outra, ele está dormindo de lado, quase não fica mais de barriga para cima, e está adorando. Nesta posição parece que seu sono é mais sereno. Ele está se descobrindo a cada dia e, quando está de lado, solta altas gargalhadas sozinho, coisa mais gostosa!

Hoje ele foi tomar algumas vacinas: 2ª dose da Hepatite B e as primeiras doses das Tríplice Bacteriana Acelular, Haemophilus Influenzae, Pólio Inativada, Pneumococo Conjugada, Meningococo C Conjugada e Rotavírus. E nós mães sentimos na pele a dor dos pequenos. Ele chegou todo feliz ao centro de vacinas, mal sabia que iria tomar umas agulhadas. Primeiro foi a Rotavírus oral, que é um líquido bem docinho. Adorou. Mas depois foram as três agulhadas: duas na perna esquerda e uma na direita. Deu uma dó quando ele chorou de dor… A gente sente lá no fundo e queríamos que essa dor fosse nossa. Mas depois recebeu meus carinhos e xamegos e logo parou de chorar. Mas deu uma peninha danada!

Antes de levá-lo para tomar as vacinas, conversei com o pediatra e ele me orientou que se eu tivesse condições de pagar as mesmas em rede particular, seria muito bom, já que as reações nos bebês são inferiores às aplicadas na rede pública. Guardar dinheiro para uma emergência é quase impossível, mas mesmo assim “meti” a cara e parcelei em quatro vezes no cartão de crédito. Afinal é para o bem do meu filho. Por enquanto está tudo em ordem, ele não apresentou nenhuma reação. A clínica orienta colocar compressas de gelo nos locais das vacinas três vezes ao dia durante uns dois dias e também, se apresentar quadro febril, ministrar tylenol em gotas (consultar o pediatra sobre dosagem). Giuseppe até ganhou de presente uma caixinha de tylenol da tia que aplicou as vacinas. E um item importante: em todas as vacinas aplicadas com agulhas, os vírus estão “mortos” (termo usado por eles), mas o rotavírus é um vírus que não está totalmente “morto” e que pode passar a outras pessoas. Então, durante duas semanas, sempre que seu filhote evacuar, limpe o bumbum dele com uma luva e logo tire a fralda suja de perto. Coloque-a em um saco plástico e lixo! Porque como o vírus é ativo, as pessoas que cuidam do bebê podem pegar. Vivendo e aprendendo! Quem quiser os dados desta clínica que fomos, me envie um e-mail que passo os dados com maior prazer.

Ótima notícia: meu filhote continua dormindo a noite toda, maravilha! Bem, nos encontramos no próximo post. Bom final de semana a todos!

Detalhes do quarto do bebê

A chegada de um bebê transforma a vida e, é claro, o lar de qualquer casal. Comigo e meu esposo não foi diferente e, nesse primeiro post no “Carinho a cada Passo”, quero compartilhar com vocês justamente essa experiência de preparar a casa para receber nossa filha, Sophia, que hoje está com nove meses de idade.

Desde que confirmamos que estávamos “grávidos”, o sonho de ter um pequeno ser de pura luz e felicidade ocupando cada cantinho do nosso lar e das nossas vidas nos dominou. O sonho foi se tornando mais real a cada novo sintoma da gravidez, a cada ecografia, a cada chutezinho… E logo os preparativos para chegada da filhota invadiram nossa existência e preencheram nossos dias. Objetos foram trocados de lugar, paredes e aberturas foram pintadas e, como não poderia deixar de ser, o quartinho para receber nossa princesinha começou a ser preparado e acabou se tornando o lugar mais especial da nossa casa!

Optamos por fugir do tradicional cor-de-rosa e pintamos as paredes em um tom de lilás bem clarinho, cor que, segundo o feng shui, traz tranquilidade, sossego e calma. Logo em seguida uma delas foi revestida com papel de parede. Escolhemos um motivo delicado e que não fosse muito infantil, para que pudesse ser mantido no decorrer do crescimento de nossa filha.

O primeiro móvel do quartinho foi o berço (ganhado de uma amiga), que logo recebeu um lindo kit de enxoval pra ficar bem fofinho:

Depois compramos a cômoda, que recebeu os apetrechos necessários para servir como trocador, o roupeiro e um nicho.

Escolhemos tudo branquinho para deixar o ambiente aconchegante. O charme ficou por conta dos detalhes em contas de cristal:

Nesse ponto também tomamos o cuidado em optar por móveis que pudessem acompanhar o crescimento da nossa pequena, mas que não representassem perigo na fase de bebê. Os cantos são arredondados, os puxadores não são sobressalentes e o design não permite que o bebê “escale” os móveis. Completando o mobiliário, revestimos uma poltrona da sala de nosso antigo apartamento, para dar suporte à amamentação:

Também não esquecemos de dar uma atenção especial à iluminação. Rebaixamos o forro com gesso, embutimos várias lâmpadas dicróicas e escolhemos um lustre central. As diversas lâmpadas ganharam interruptores individuais e o lustre central foi equipado com um dimmer, de forma a permitir que se varie a intensidade da iluminação conforme o objetivo que se pretenda.
Espalhamos itens fofos por todos os cantos e também acessórios que tornam o dia-a-dia mais fácil, como o porta-trecos sobre o trocador:

Por fim, instalamos o condicionador de ar para trazer conforto térmico ao ambiente e providenciamos as cortinas. Esse foi o resultado:

Cada detalhe foi planejado com muito com amor e depois de tudo pronto nos restou esperar ansiosamente para ver o quartinho ocupado por sua pequena moradora que há muito já habitava nossos corações!

Espero que tenham gostado de conhecer um pouquinho da minha casa e que acompanhem aqui minhas dicas de decoração para ambientes e festas infantis.

Um abraço,
Maura

Fases do bebê: conhecendo o mundo fora da barriga da mamãe

Amigas e amigos do blog,

Tudo bem com vocês? Esperamos que sim, porque conosco está tudo ótimo. Giuseppe com muita saúde e eu conseguindo amamentá-lo um pouco. Bem, vou voltar a 22 dias, quando saímos da maternidade.

Como comentei, recebemos alta em 22 de setembro. Como não tinha leite, fomos direto ao Banco de Leite do HPM para sabermos como elas poderiam nos ajudar. Lá fomos muito bem recebidos pelas tenentes e coronéis. Nossa sorte é que estava vazio e a tenente Ilenilda nos pôde dar atenção. Ela fez massagens em minhas mamas, mas como eu ainda estava ansiosa e um pouco estressada com tudo que aconteceu, meu leite não desceu. Ela me indicou que tomasse bastante líquido durante o dia, fizesse compressas de água quente nos seios e dormisse sempre que o bebê estivesse dormindo. Dica para as futuras mamães: procurem o Banco de Leite do HPM no último mês de gravidez para que elas avaliem seus seios e que te passem dicas de amamentação. No meu caso, os bicos dos meus seios estão mais para planos, dificultando a pega do bebê. Tirem todas as dúvidas de vocês antes do nascimento do seu filho, porque é uma caixinha de surpresa.

Agendei duas visitas em casa com a tenente para que ela me ensinasse a pega correta porque Giuseppe estava com dificuldade, já que acostumou a receber o alimento através da sonda e soro. São comuns hoje em dia os bebês não terem facilidades na pega ao peito, mas temos que ser persistentes porque eles estão chegando a um mundo novo em que ensinaremos tudo a eles. Fiz este tratamento com a tenente durante dois dias e sempre indo ao HPM. Foram oito dias intensificando a pega e estimulando até que o colostro apareceu. Fiquei radiante! Mas Giuseppe, como é muito guloso, não tinha paciência de esperar e ficava “vermelho” de raiva. Com isso, dava o peito e depois complementava com o leite NAN.

A 1ª semana de Giuseppe em casa foi totalmente de adaptações: ele me conhecendo e eu o conhecendo. Digo que é uma fase difícil porque o bebê ainda não se acostumou com o novo mundo. Mas na semana aprendi a identificar alguns pontos: das 18h até às 22h ele ficava muito irritado, parecia que tinha uma fome louca, chorava bastante. Liguei para o pediatra que nos atendeu na maternidade, mas não consegui falar com ele. Com isso, pensando que fosse cólica, o coloquei de bruços em minha barriga, mas nada de parar de chorar. Tentei ninar, mas nada… Pedi a minha mãe que fosse na farmácia e comprasse um remédio que o outro pediatra havia me receitado há meses atrás, mas não tive coragem de dar. Passaram-se várias coisas em minha cabeça porque não sabia identificar o que era aquele desespero todo. Fiquei super preocupada e com isso pensei em oferecer mais alimento a ele e, BINGO: era fome realmente. Como ele já estava na 1ª semana de nascido e o leite materno ainda não havia descido, teríamos que aumentar a dose do complemento, e seguir à risca a bula do NAN (ele saiu da maternidade tomando 30ml de NAN e na latinha o ideal é dar 60ml na 1ª semana). Ninguém havia me instruído quanto a isso. Aprendi na prática.

Outro ponto bastante interessante é a quantidade de fraldas que trocamos por dia. Nesta 1ª semana, Giuseppe sujava mais de 10 fraldas por dia. Depois reparei que estava evacuando menos. Foi o primeiro alerta de que alguma coisa não estava normal. Como teria consulta com o pediatra na semana, anotei alguns questionamentos, inclusive este ponto.

Na consulta pediátrica, levei uma lista de dúvidas e o Dr. me esclareceu todas: como ainda não tinha leite materno suficiente, teria que seguir o que a lata de NAN receitava, mas trocamos o leite NAN PRO 1 para o NAN COMFOR, que é melhor para bebês que estão evacuando menos. Podemos usar um supositório a base de glicerina caso o bebê fique mais de 24h sem evacuar. Mas não é necessário introduzir o supositório, basta apenas fazer a famosa “cócegas” que já é o suficiente. Nesta consulta, Giuseppe já estava com quase 4kg, peso de bebê de 10 dias e ele tinha apenas sete. Ele nos passou a requisição para o teste do pezinho, orelhinha e olhinho e ainda nos pediu que voltássemos dentro de um mês. Agendei todos os testes: o da orelhinha, que é feito na própria maternidade; o do pezinho, no Laboratório; e do olhinho, que é com um oftalmologista.

Na 2ª semana de vida do Giuseppe, ele estava mais bem adaptado. Seu coto umbilical caiu no 8º dia (e dizem que é bom enterrar em uma roseira para dar sorte). Já não mais chorava naquele horário crítico porque se alimentava melhor, não teve cólicas, mas comprei a famosa Funchicória, que ajudava acalmá-lo, mas com o consentimento do pediatra. Também fiz o teste da chupeta, mas ele não se adaptou muito bem a ela, graças a Deus. Fizemos o teste da orelhinha e ele também se comportou como um rapaz. O teste da orelhinha fica pronto na mesma hora e com o Giuseppe estava tudo normal. Este teste tem que ser repetido com seis meses. No caso do teste do pezinho, o pediatra pediu o teste ampliado, que são sete subtestes. Fizemos no laboratório com prazo de quase um mês para ficar pronto, mas pode ser feito também na Apae. O interessante deste teste é que o nome é teste do pezinho, mas não é realizado no pé e sim como uma tiragem de sangue normal. O teste do olhinho foi feito em um consultório com um oftalmologista e também ficou pronto na mesma hora. Neste teste, é aplicado um colírio duas vezes para dilatação da pupila, mas como meu Giuseppe é forte, ele nem chorou, continuou dormindo como um anjinho. Esta semana foi bastante corrida porque também o levei a outro pediatra do meu plano (é sempre bom termos mais de uma opinião). Com este outro pediatra ele já tinha engordado 200 g e pesava 4,2 kg e 56 cm (cresceu 3 cm desde seu nascimento). Assim que o pediatra tirou sua roupinha ele teve uma surpresa: Giuseppe estava com a fralda toda suja. Daí o Dr. aproveitou para examinar suas fezes que estavam dentro da normalidade. Porque foi um dos pontos em que eu questionei. Tirei também várias dúvidas com ele e o mais interessante foi a explicação para descobrirmos quando o bebê está com cólica. Se o bebê chorar sem parar, siga as sete possibilidades do choro: fome, xixi, cocô, frio, calor, sono e por último cólica. Achei ótima esta dica e comecei a segui-la. É batata!! Até hoje nunca chegamos na 7ª, o que é um ótimo sinal. O Dr. também me receitou uma pomada para prevenção de assaduras, um remedinho para cólica, falou para eu manter o NAN sempre depois de oferecer o peito, e que não se deve viajar com o bebê até o 3º mês, além de não levá-lo a ambientes muito barulhentos e que tenha aglomeração de pessoas para evitarmos qualquer vírus. Tomar banho de sol de 10 minutos entre 8h e 9h. Questionei a ele também as manchinhas vermelhas que se parecem com umas brotoejas em seu corpinho e ele falou que é normal. Giuseppe estava bem corado, sua respiração ótima e seu coraçãozinho também. A única preocupação que falamos com ele é um “caroço” que ele tem em cima da sobrancelha direita. O Dr. pediu que observássemos para avaliarmos melhor em 30 dias, mas salientou para ficarmos tranquilos.

A 3ª semana de Giuseppe está bem melhor. Ele já consegue dormir a maior parte da noite, se mexe bastante tentando se comunicar, seus olhos já se fixam em um ponto, chora menos, e está com uma mania linda de tremer o queixo toda hora parecendo que está com frio. As unhas dos pés e das mãos crescem quase todos os dias, seus cabelos começaram a cair, já toma banho sem chorar, mama 120 ml de complemento mais peito de cinco a seis vezes ao dia e, de vez em quando, abre um sorriso. Já está com forças nas pernas e na cabecinha, ainda não apareceram as cólicas, estou achando que seu intestino é preguiçoso porque ele evacua somente uma vez por dia, mas os pediatras avaliam como normal porque as fezes não estão ressecadas. Tive uma experiência esta semana: como tenho que faxinar a casa, a melhor opção é tirar o bebê de dentro de casa por causa do cheiro de desinfetante. Com isso, o levei para casa da mamãe e vocês não acreditam: ele não se adaptou, chorou o dia inteiro e não relaxou, ficou o tempo todo acordado. O bebê realmente sabe quando o tiramos de seu cantinho. Ele ficou enjoadinho e só relaxou quando voltamos para casa.

Bem, estas foram as experiências que tivemos nestes primeiros 24 dias de vida do meu Giuseppe. Somente acrescento que apesar das noites mal dormidas, dos choros interruptos e das inúmeras fraldas trocadas, É MARAVILHOSO TÊ-LO EM MEUS BRAÇOS. Na próxima semana, conto como foi sua 4ª semana de vida…

Fases do bebê: um parto inesperado e Giuseppe veio ao mundo

Amigas do blog,

Quanto tempo né? Tenho tanta coisa para contar…

No dia 19 de setembro, fui fazer minha última ultrassonografia: Giuseppe estava com 3,7kg e tudo estava normal. Levei meu exame para a dra. e agendamos o parto para dia 22 de setembro pela manhã. Tudo estava arrumado e eu super feliz. Avisei a todo mundo! Fui dormir super tranquila, mas exatamente a 00:02h do dia 20 de setembro senti uma dor muito forte, mas pensei: deve ser a contração falsa que dizem que sentimos de vez em quando. De qualquer maneira, marquei o horário e esperei, mas dez minutos depois, veio a segunda dor ainda mais forte. Acordei meu marido e falei com ele que estava sentindo dores. Ele falou para eu tentar dormir virada para o outro lado, me virei e aguardei. Dez minutos se passaram e a dor voltou. Daí tive a certeza: estou tendo contrações e em trabalho de parto. Chamei meu marido e achamos melhor irmos ao pronto socorro. E no que me levanto da cama, a bolsa estoura! Desceu bastante água, daí tivemos a certeza: Giuseppe estava chegando.

No caminho para o hospital, liguei para o Criobanco e avisei que estava em trabalho de parto e a caminho da maternidade. Também tentei falar com minha médica, mas o celular dela não atendia. Liguei para meus pais e avisei a situação. Foram todos para a maternidade. Chegamos lá e ficamos mais de meia hora para falarmos com a minha médica. Quando conseguimos nos comunicar, ela pediu que me internasse com urgência.

Nunca passei por aflição tão grande. Entrei na sala de parto e aguardei mais ou menos de 30 a 40 minutos. Me colocaram no soro, a enfermeira do Criobanco coletou amostra do meu sangue e nada do anestesista e da minha médica. Daí que surge o pediatra de plantão e o anestesista. Tomei aquela agulhada, que realmente não dói, mas te dá uma sensação ruim porque você não sente mais suas pernas, sentimento de invalidez. Desta parte não gostei. Mas finalmente os médicos chegaram e iniciaram a cesárea. Não demora mais de 10 minutos e escuto o chorinho do meu pequeno: Giuseppe nasceu! Às 02:43h do dia 20 de setembro de 2011 pesando 3,97kg e medindo 53cm. É a MAIOR emoção que uma mulher pode sentir quando o pediatra leva o bebê até você. Mas, no meu caso, foi muito rápido porque Giuseppe nasceu com uma pequena dificuldade em respirar. Meu coração acelerou e fiquei super preocupada e nervosa quando recebi esta notícia do pediatra. Ele simplesmente falou: “Seu bebê está com uma pequena dificuldade em respirar e com isso ele não vai para o quarto com você. Precisaremos levá-lo para a UTIN para termos um diagnóstico melhor”. Pronto, quase morri de tanto chorar em saber que depois de um pré natal todo em ordem, meu pequeno ainda iria sofrer. Foi uma sensação horrível que não desejo a ninguém. Você volta para o quarto sem o seu bebê, inexplicável o que senti naquele momento.

Assim que cheguei ao quarto, vi no rosto da minha família que alguma coisa não estava normal. Queria poder ter forças para me livrar da anestesia e correr até a UTIN para saber como Giuseppe estava. Mas a anestesia era muito forte e durava algumas horas. Foi aí que o pediatra apareceu e nos contou com detalhes o que estava se passando. Giuseppe nasceu com uma pequena dificuldade em respirar porque engoliu um pouco do líquido amniótico e também foi levantada a questão da cardiopatia. Como não podia me movimentar, meu marido foi com o pediatra até a UTIN para vê-lo. Giuseppe estava lá com seus 3,97kg dentro de um bercinho de UTIN com soro glicosado e com um aparelho para ajudar na respiração. Graças a Deus, tudo não passou de um susto: foi descartada a cardiopatia e ele reagia bem. No mesmo dia pela manhã, a pediatra da UTIN nos avisou que a respiração dele já estava normal e que tirariam o aparelho. Pulamos de alegria porque faltava pouco para Giuseppe ir para o quarto, junto de sua família. Todos os horários que podia visitá-lo eu fui para tentar amamentá-lo, mas devido a toda esta turbulência eu simplesmente não tive leite materno para amamentar nestas primeiras horas, e ele teve que receber o complemento. Mas não desanimei, só o fato de saber que seu filho estava fora de perigo já te deixa muito aliviada e feliz.

No período em que ele ficou na UTIN, tive também o prazer de dar o primeiro banho com o auxilio de um enfermeiro. Foi emocionante porque nunca imaginei que conseguiria. Cuidei do coto umbilical e coloquei a roupinha nele… momento mágico! Estas 48 horas em que passei visitando meu pequeno na UTIN me fez relembrar todos os momentos de minha gravidez e me questionar o que eu teria feito de errado. Pensava: quantas mulheres não possuem auxilio em seu pré-natal e dão a luz a filhos perfeitos Quantas mulheres que carregam em seu ventre um ser tão especial e o abandonam no momento em que eles mais precisam de nós… Rezei e pedi muito ao meu Deus luz, força e sabedoria para enfrentar todos os obstáculos que viriam pela frente, porque só Ele quem pode nos confortar. Mas ao final destas horas intermináveis, veio a frase que mais queria ouvir: seu filho está ótimo e vai receber alta. E, finalmente, no dia 22 de setembro, recebemos alta.

Bem amigas, os primeiros momentos de vida do meu Giuseppe foram difíceis, mas com a benção de Deus, ajuda de todos com suas orações e a determinação do meu pequeno, conseguimos vencer. Boa semana a todos! Na próxima, continuo contando mais sobre os primeiros dias de Giuseppe em casa com sua família.